segunda-feira, 20 de julho de 2009

Assim que é

Ver a beleza escondida por trás da noite escura

Nas pequenas estradas a mais louca aventura

Minha bagagem não é peso na hora da viagem

Trago comigo a esperteza de quem aprendeu a lição

Beleza não vai pra mesa...se for é indigestão com certeza

Sem miséria to esperto com o lobo e sua alcateia

Minha  arte vai comigo por toda parte

Pro coração do cardíaco ela causa enfarte

Pro menino que me segue com seus olhos famintos...

Talvez seja a saída para seu labirinto ou...quem sabe..

Companhia nas tardes solitárias e frias

Pra criança da favela...

As cores que faltam em sua aquarela...

Pro filho da madame...

Apenas um vasilhame...

Pro meu afilhado...

Mais valioso que brinquedo importado.

Dulixo vem o luxo da simplicidade

No alto do pódio brilha a humildade

Liberdade de expressão forjada a mão

Nem pátria...nem patrão

Seguidor somente da imaginação

Nem Midas..nem mágico

Apenas mais um artista de plástico

Moldando sonhos de papel

Sem a prepotência de Babel

Mais sempre alcançando o céu.

Tubarão

2 comentários:

Maíra disse...

Sempre muito consciênte e sensível!!
Parabéns Tubarão!!!
Progresso!!!

Stella disse...

Por isso um dia escrevi p mim mesma "as vezes me faltam as palavras".
Vc tem dicernimento, um coração sábio e consegue expressar as palavras....
Mto bom lindo!
mta sorte!!