quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

4º PRÊMIO COOPERIFA - SANCHO PANÇA - APRENDIZ DE SONHADOR


Tubarão/dulixo

Você foi eleito para receber o 4º Prêmio Cooperifa, o "Sancho Pança - Aprendiz de sonhador", criado pela Cooperifa para premiar os amigos e parceiros, que direta ou indiretamente, através dos seus atos, ajudam a promover, fortalecer e divulgar aquilo que o nosso projeto mais acredita: que uma nova periferia é possível!

Seu nome foi indicado, entre tantos outros, e aprovado por uma comissão de poetas e coordenadores da Cooperifa ( Cooperativa Cultural da periferia), que através de uma eleição simples ratificou o seu nome, ou trabalho, em prol da cultura do país.

Por uma periferia que nos une pelo amor, pela dor e pela cor."

Parabéns pela luta,

Sérgio Vaz
Coordenador da Cooperifa

*A entrega do prêmio vai acontecer no dia 17 de dezembro (quarta-feira) às 20hs no bar do Zé batidão, onde se realiza, há sete anos, o Sarau da Cooperifa



"Agradeço em nome da família dulixo a todos da Cooperifa pelo reconhecimento de nosso trabalho,receber uma premiação de tal integridade só nos dá forças para continuar na batalha por uma periferia mais digna e fortalecer cada vez mais a nossa cultura, tamo juntos poetas é nós por nós mesmo!! "

Tubarão




PRÊMIO COOPERIFA - Sancho Pança - Aprendiz de sonhador

Povo lindo, povo inteligente,

o prêmio Cooperifa não parece, mas é um prêmio literário, criado em 2005 para estimular à leitura e à criação poética, principalmente aos frequentadores do sarau da Cooperifa, um incentivo aos poetas que não paravam de chegar ao nosso quilombo, e as pessoas da comunidade de Piraporinha e entorno (Zona sul de SP) que viam na poesia um meio de comungar a palavra, e um caminho mais curto para o livro, e para a cidadania.
Mas o sarau da Cooperifa não é feito só de poetas, apesar de toda poesia que envolve o lugar, e com o tempo, outras pessoas de outras áreas culturais que fortalecem o movimento, também foram chamadas para serem premiadas, assim como alguns líderes de bairro, pessoas que frequentam assiduamente o sarau, professores, entidades, gente que faz e acontece, jornais revistas, fotografias, eventos, o rap, o samba, espetáculos, etc.
Mas que principalmente tenham ou tiveram algum tipo de vínculo com a Cooperifa, que ajudam a promover, engrandecer e divulgar, através dos seus atos, tudo aquilo que o nosso movimento acredita: que uma outra periferia é possível!
Por isso, o prêmio, não é um presente aos melhores da periferia, até porque, são tantas as pessoas maravilhosas -e na sua maioria anônimas que ajudam a construir este país-, que não haveria prêmio para tantos guerreiros e guerreiras. Axé para todos eles!
E se a gente pensar bem, para o que é que servem os prêmios?
Para os que lutam uma vida inteira, o suor, a lágrima e muitas vezes o próprio sangue, é quem determina quem são os heróis e as heroínas deste Brasil afora. E se o país ainda resiste a todos os tipos de injustiças e desigualdades, é porque eles existem, não os prêmios.
Quem dera os nossos braços fossem maiores para alcançá-los.
O Prêmio Cooperifa é um pequeno reconhecimento a estes heróis e heroínas que estão à nossa volta, ao nosso alcance, e que apesar de tudo e de todos, ainda acham tempo para sonhar, por si, e pelos outros. E que nem mesmo a dureza de um dia de trabalho ou a falta de, é capaz de afastá-los da busca pela poesia, o néctar tão necessário para suportar o doce e o amargo do dia-a-dia.
E eles, nossos amigos e parceiros, por estarem tão perto , é mais fácil tocá-las(los) , acariciá-los (las) premiá-las(los), e é o que a gente queria que também acontecesse em todas as quebradas onde os nossos olhos não vêem, e que que infelizmente, muitas vezes, nossos ouvidos não escutam.
O Prêmio Cooperifa não dá retorno financeiro, muitas vezes, nem sequer prestígio, porque a eleição (sim, há uma eleição!), e feita por uma comissão de poetas e pessoas que coordenam o projeto, e de forma simples, os nomes são aprovados ou não, e mesmo depois de tantas discussões e contagem de votos, a gente sempre esquece de alguém. É a única hora que a gente sabe que o prêmio tem o seu valor.
Mas ainda assim vale o risco, um discurso não é nada sem a prática.
Há os que fazem. Há os que julgam. Gostamos de fazer. Já há juízes demais.
O Prêmio era para ser uma abraço, na verdade é, só que nós o materializamo em bronze, na figura do aprendiz de sonhador "Sancho Pança" fiel escudeiro de Dom Quixote, para que os nossos amigos possam pendurá-lo nas prateleiras de suas casas, para que seus amigos possam ver que foram abraçados pela Cooperifa, assim, como nós fomos por eles.

É isso. Nada mais.

Coração em chamas,

Sérgio Vaz
Aprendiz de sonhador

Outros ganhadores do prêmio...só monstro!!

Andréia
Augusto
Seu Lourival
Jorge Esteves
José Neto
Ricarda
Lu Souza
Robson Canto
Cláudio Laureat
Sales
Valmir Vieira
João Santos
Casulo
Lobão
PoetaFuzzi
lAlan da Rosa
Elizandra
Akins Kinte
Silvio Diogo
Marcio Batista
Helber Ladislau
Sacolinha
Beso
Renato Vital
Fanti
Timbó
Fernanda
Lila e Barbara
Jair Guilherme
Rodrigo Ciriaco
Roberto Ferreira
Rose Umoja
Carlos Savazzini
Sergio Vaz
Harumi
Rose Dorea ( Musa)
Camila
Dill
Daniela Masceno
Mamba Negra
Cocão
Quênia
Jaimes Bantu
Tubarão (baixada santista)
Fábio
André
Daniel ( NCA)
Ligia
Dona Edite
Alessandro Buzo
Berimba de jesus
De Lourdes
Gastão
Ícaro
Grupo Espírito de Zumbi
Samba da Vela
Toni C. (Vermelho.Org)
Grupo Versão Popular
Brau Mendonça
Wesley Noog e Banda (cd "MAMELUCOAFROBRASILEIRO)
Vicente
Antônio
Eleilson
Banda Preto Soul
Ferréz
Záfrica Brasil
Grupo Periafricania
Ali Sati
Zé Batidão
Ação Educativa
Instituto Umoja
Prof. Fábio
John Boicote
Sarau Elo da Corrente
Sarau da Brasa
Sarau do Binho
Sarau da Cidade Ademar
Tatiana Ivanovici
Sesc Santo Amaro
Site Bocada Forte
Site Rap Nacional
Cadernos Negros
Casa de Cultura
M´Boi Mirim
Magrelas Bike
Capão Cidadão
Sacolão das Artes (Roberto QT, Rita e Josiel)
Ponte Preta - Jd. Leme
Sopa de Letrinhas
Tribunal Popular - MNU
Eduardo Toledo - FotografiaRevista
Cultura Hip Hop
Revista Caros Amigos
Cine Becos e Vielas
Ewaldt
Marcelino Freire
DGT Filmes
Carlos Gianazzi
Prof. Toninho
Eliane Brum
João Wainer
Alan Leão
Global Editora
André Caramante
Nelson Maka - Blackitude - BA
Familia Trindade (Embú das Artes)
GOG
Centro Cultural da Espanha
Jornalirismo
MV Bill
Fernandinho Beat Box
Dario Porte Legal
CIEJAEscola Antonio Ágio
Escola Zacarias
Mano Brown
Diego e grupo Conexão cultural ( jor/UNIFIEO)
Prof. Gino
Biblioteca Heliopolis
Chico e Carla Pinheiro
Radio CBN
Jeferson De
Grupo Inquérito
Matheus Subverso
Programa Manos e Minas (Rappin Hood)

PARABÉNS À TODOS!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Um comentário:

renato disse...

olha gente, fico mto feliz, por vcs estarem fazendo esse sucewsso todo, mostrando q atraves dolixo a gente tbm pode criar e fazer o q ia p o lixo virar arte!!! meus parabéns a todos, e desejo mto sucesso sempre!!
abraços, Anna Fecker!