segunda-feira, 10 de maio de 2010

Dulixo por Crônica Mendes


Dulixo


O mundo no lixo
E a arte esquecida, por fim
se acaba.
O desejo segue adiante, mas ninguém olha.
Tampouco ajuda.
A transformação jogada fora,
a emoção por um sentimento de piedade,
escorre diluída no chorume.
Ninguém demais viu, só quem foi parte disso.
Parte de uma família,
reciclada.
Quem foi,
não,
Quem é,
sim.
Quem constrói o futuro, destrói o presente
e não recicla a embalagem.
O laço deu nó cego.
Apertou,
Apertou demais.
Só o coração não é suficiente.
- Não dá mais.
As pernas, braços, mãos, membros...
Soldados sob o sol,
somos DULIXO
num oceano de gente.
Driblando como um Tubarão
e seguimos em frente.

por Crônica Mendes

2 comentários:

Banca dos B-Boyzz disse...

Putz... Soube pela Jássica. Sei bem o que significa isso: estar sem o apoio para ir em frente. Vou nem xingar o governo. Mas fique sabendo que aki no mundo virtual alguns torceram por ti, viram flores nos mesmos lixos revirados. Esse mundo não preza a vida - façamos nós. Força e bom caminhar - em frente, firme e forte! 1 braço, espero saber notícias pela internet - Poeta Xandu

Stella disse...

nãoooooooooo!